Você está aqui: Página Inicial / Pastoral Escolar / #PraPensar / A figueira estéril

A figueira estéril

“Então, Jesus contou a seguinte parábola: certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha e, vindo procurar fruto nela, não achou. Então disse ao viticultor: Há três anos venho procurar fruto nesta figueira e não acho; podes cortá-la; para que está ela ainda ocupando inutilmente a terra? O viticultor respondeu: Senhor, deixa ainda este ano, até que eu escave ao redor dela e lhe ponha estrume. Se vier a dar fruto, bem está; se não, mandarás cortá-la.” Lucas 13.06-09.

A figueira estéril

“Então, Jesus contou a seguinte parábola: certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha e, vindo procurar fruto nela, não achou. Então disse ao viticultor: Há três anos venho procurar fruto nesta figueira e não acho; podes cortá-la; para que está ela ainda ocupando inutilmente a terra? O viticultor respondeu: Senhor, deixa ainda este ano, até que eu escave ao redor dela e lhe ponha estrume. Se vier a dar fruto, bem está; se não, mandarás cortá-la.” Lucas 13.06-09.


Esta pequena parábola faz parte de um texto maior, no qual Jesus está tratando de uma forma muito ruim de viver em Israel. A divisão de grupos, a discriminação de pessoas, a falta de comunhão e de ajuda mútua entre elas. Usando o exemplo de um agricultor que intercede por uma figueira que o patrão lhe ordenou cortá-la e se compromete em gastar seu tempo, trabalhar para ajudar o fortalecimento da planta e, assim, produzir frutos que tanto agradavam ao seu patrão.

A atitude deste agricultor demonstra sua maior qualidade: a solidariedade. A capacidade de se compadecer de alguém e intervir em uma situação crítica tentando salvar uma vida, ainda que seja uma planta. Ele não se nega em envolver-se com tal situação, contribuindo com o seu conhecimento e esforço físico para salvar aquela figueira. Esta história se encaixa perfeitamente nos dias que vivemos hoje. As opiniões sobre os assuntos mais variados, muitas vezes têm a intenção apenas de marcar uma posição, apenas para defender um ponto de vista. Somos pessoas diferentes umas das outras e isto não é um problema, na verdade é uma solução. Pois aprendemos uns com os outros, porque assim é a vida.

Mas, muitas vezes, o que percebemos é que estamos deixando de lado a solidariedade, logo esta que é um grande valor social. A qualidade de uma pessoa se importar com a outra de tal forma que se compromete a ouvi-la, ajudá-la ou fazer o que for possível para socorrer a pessoa em alguma dificuldade. Solidariedade é uma forma de amor, uma forma de dizer “eu te amo” sem usar palavras, mas com atitudes.

Que Deus continue nos abençoando de maneira que o Seu amor se manifeste em nós em forma de atitudes solidárias. Assim, espalharemos o amor de Deus onde estivermos.


Pastor Hércules Araujo
Pastoral Escolar
Colégio Metodista de Bertioga – SP