Você está aqui: Página Inicial / Pastoral Escolar / #PraPensar / Cuidando da luz

Cuidando da luz

Cuidando da luz

“E Deus viu que tudo o que havia feito era muito bom.” Gênesis 1.31

Evidentemente, se o texto bíblico que relata a criação termina com a declaração acima, isso significa que cada elemento criado é muito bom e necessita de cuidado por parte do ser humano. Dentre esses elementos, o primeiro que surgiu foi a luz: “então Deus disse: — Que haja luz! E a luz começou a existir” (Gênesis 1.3). A luz é essencial para a vida, por isso é o primeiro elemento a surgir.

O apóstolo Paulo, ao comentar o texto de Gênesis 1.3, afirma: “o Deus que disse: ‘que da escuridão brilhe a luz’ é o mesmo que fez a luz brilhar no nosso coração. E isso, para nos trazer a luz do conhecimento da glória de Deus, que brilha no rosto de Jesus Cristo” (2 Coríntios 4.6). Parece que a luz do primeiro dia emana do próprio Deus e não só ilumina o universo, como também afasta a escuridão tanto espiritual quanto mental do ser humano. Jesus Cristo se apresenta, no texto do Evangelho de João, afirmando: “Eu sou a luz do mundo; quem me segue nunca andará na escuridão, mas terá a luz da vida” (João 8.12). Nesse sentido, aceito por muitos comentaristas, precisamos cuidar de nossa vida espiritual para não perdermos a luz divina que deve brilhar sempre em nós, afastando a escuridão da ignorância e da culpa.

No entanto, há autores que entendem que a luz do primeiro dia da criação vem do próprio sol, oculto, nesse momento, por imensas e pesadas nuvens – que são afastadas pelos atos criadores de Deus no segundo e terceiro dias, tornando-se visíveis somente no quarto dia. Nesse caso, devemos cuidar do meio ambiente, para que não haja tanta poluição atmosférica – que podem ocultar a luz solar, prejudicando as diversas formas de vida no planeta.

De um modo ou de outro, que a luz – do sol e de Deus – estejam sempre brilhando em nossa vida.

Reverendo Vicente de Paulo Ferreira

Pastoral Escolar e Universitária

Instituto Metodista Granbery 

“E Deus viu que tudo o que havia feito era muito bom.” Gênesis 1.31

Evidentemente, se o texto bíblico que relata a criação termina com a declaração acima, isso significa que cada elemento criado é muito bom e necessita de cuidado por parte do ser humano. Dentre esses elementos, o primeiro que surgiu foi a luz: “então Deus disse: — Que haja luz! E a luz começou a existir” (Gênesis 1.3). A luz é essencial para a vida, por isso é o primeiro elemento a surgir.

O apóstolo Paulo, ao comentar o texto de Gênesis 1.3, afirma: “o Deus que disse: ‘que da escuridão brilhe a luz’ é o mesmo que fez a luz brilhar no nosso coração. E isso, para nos trazer a luz do conhecimento da glória de Deus, que brilha no rosto de Jesus Cristo” (2 Coríntios 4.6). Parece que a luz do primeiro dia emana do próprio Deus e não só ilumina o universo, como também afasta a escuridão tanto espiritual quanto mental do ser humano. Jesus Cristo se apresenta, no texto do Evangelho de João, afirmando: “Eu sou a luz do mundo; quem me segue nunca andará na escuridão, mas terá a luz da vida” (João 8.12). Nesse sentido, aceito por muitos comentaristas, precisamos cuidar de nossa vida espiritual para não perdermos a luz divina que deve brilhar sempre em nós, afastando a escuridão da ignorância e da culpa.

No entanto, há autores que entendem que a luz do primeiro dia da criação vem do próprio sol, oculto, nesse momento, por imensas e pesadas nuvens – que são afastadas pelos atos criadores de Deus no segundo e terceiro dias, tornando-se visíveis somente no quarto dia. Nesse caso, devemos cuidar do meio ambiente, para que não haja tanta poluição atmosférica – que podem ocultar a luz solar, prejudicando as diversas formas de vida no planeta.

De um modo ou de outro, que a luz – do sol e de Deus – estejam sempre brilhando em nossa vida.

Reverendo Vicente de Paulo Ferreira

Pastoral Escolar e Universitária

Instituto Metodista Granbery 

registrado em: